Entrevista: ELA VENCEU O CORONAVÍRUS

10 | abr

 

Depois de 38 dias de internamento, 24 na UTI e resistir a três paradas cardíacas, Caroline volta pra casa

 

Foi em uma segunda-feira, mais precisamente dia 22 de fevereiro que Caroline Rucinski, a Carol de 37 anos, técnica de enfermagem, sentiu que havia algo de errado com ela. Sentiu os primeiros sintomas da doença, mais ainda não tinha certeza se realmente estava com coronavirus.

 Na quarta-feira ela fez o teste que positivou para a covid19. Dois dias depois, na sexta-feira, Carol sentiu uma piora relevante e retornou ao atendimento do SUS de Porto União. Foi então que o médico que a acompanhava trocou toda sua medicação. Mesmo assim não houve melhora, já haviam passado 10 dias dos primeiros sintomas e ela a cada dia estava pior.

 Frente à evolução da doença, no dia 02 de março, foi internada no Hospital São Braz em Porto União. No terceiro dia de internamento Caroline teve uma piora súbita e foi para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI). No terceiro dia de UTI precisou ser intubada e sedada (coma induzido) isso se prolongou por 10 dias.

Após esse período e não demonstrando melhoras fizeram uma traqueostomia e no dia seguinte a isso ela acordou, “Fiquei três dias acordada com o respirador conectado a traqueo, porém piorei novamente e fui sedada por mais 6 dias, onde estabilizei e fui acordada novamente” conta Caroline. Durante esse período ela sofreu três paradas cardíacas e foi reanimada.

Ela explica que logo depois começaram o desmame da máquina, o que levaria muito tempo, “Eu consegui desmamar da maquina antes, ficando mais alguns dias na UTI, após isso recebi alta da UTI na sexta feira santa e fui para o quarto”.

 Na quarta feira dia 06 de abril recebeu alta do hospital. “Estou me recuperando em casa, muito fraca e ainda usando O2 o tempo todo. Porém, me recuperando um pouco a cada dia. Ao todo foram 38 dias de internamento em sua maioria na UTI” confirma.

José Osny júnior, marido da Carol conta que quando ela começou a piorar e precisou ser internada, ficou muito preocupado, “O nervosismo tomou conta de mim e a cada dia que passava as noticias que vinham do hospital eram muito ruins, cada dia uma noticia pior, apesar de todos os cuidados médicos, ela vinha piorando. O nervosismo e o desespero aumentando, você fica com uma sensação de incapacidade total, não podia fazer nada, só espera a ligação do hospital diariamente” conta angustiado.

Júnior afirmou que só rezava e acreditava na recuperação dela, mas que passou por momentos muito difíceis, “Além de receber as noticias que geralmente eram ruins, ainda tinha a situação de repassar para os outros parentes e amigos, o que, de certa forma não foi nada fácil” relata o marido.

Apesar de ter ciência que o quadro da esposa era muito complicado, Júnior afirma que nunca perdeu a esperança. “Nesse momento ela não podia receber esse tipo de energia, tentava manter a positividade sobre a recuperação dela, sabia o quanto ela é guerreira e que mesmo em coma ela não desistiria de viver” conta.

Para Caroline tudo que passou fez com que ela mudasse a forma de ver a vida, “Dou mais valor as pequenas coisas, como poder ir sozinha no banheiro por exemplo, ou poder caminhar e comer o que quiser, poder ter liberdade, esse tipo de coisa mudou pra mim, vejo mais beleza e dou mais valor para as coisas simples” completa Carol.

Para seu marido o que mais mudou depois de passar todos esses dias desafiadores foi o valor das coisas e pessoas, “Aprendi o quanto deixamos passar da vida dando importância para coisas banais, o quanto mais poderíamos viver e ficamos presos a detalhes, que, perante uma situação dessas, são insignificantes. Pude ver os que são amigos realmente” afirma.

Para o médico Ricardo Bassan a recuperação da Caroline foi uma grande vitória. Ele ao lado da médica Amanda Nhoatto e equipe, cuidaram do inicio ao fim do tratamento da Carol. “A Caroline estar viva foi o que nos deu força e esperança pra toda equipe. Pois mesmo em momentos muito ruins não devemos jamais desistir de nossos pacientes”, explicou o médico.

Caroline ainda em recuperação deixa um recado para todas as pessoas que estão passando pelo tratamento do coronavírus e para seus familiares, “Tenham fé, fiquem firmes, ha esperança, mas acima de tudo, se cuidem!”

Comentários, dúvidas, sugestões? Entra em contato com a gente!